Insulina prolongada? Nova base para tratamento de diabetes

Pesquisadores dos EUA recentemente descobriram uma nova base para medicamentos para tratamento de diabetes.

São moléculas capazes de prolongar o efeito da insulina no organismo. A função dessas moléculas desenvolvidas em laboratório é impedir que a enzima degradante da insulina (IDE – insulin-degrading enzyme), desintegre o hormônio insulina, ou seja, fará com que a insulina permaneça por mais tempo no organismo removendo por mais tempo a glicose do sangue.

Essas moléculas devem se tornar base para desenvolvimento de novos medicamentos para diabetes que farão a insulina trabalhar melhor e por mais tempo.

A enzima degradante da insulina (IDE), é uma protease que divide proteínas ou peponídeos em pequenos pedaços, é uma das únicas portease que ainda não tinha um inibidor.

A grande descoberta é que esse inibidor da IDE impediria não só a degradação inicial da insulina, que é feita pelo fígado assim que a insulina é liberada pelo pâncreas, mas também impediria a degradação da insulina nas células de “destino”, que são responsáveis pela retirada do açúcar do fluxo sanguíneo.

Com a quantidade de diabéticos no mundo, e as projeções feitas pela OMS de que até 2025 sejam 300 milhões de diabéticos no mundo, é normal que hajam grandes avanços nos tratamentos para a doença, é importante estar sempre de olho!

Fica a dica muito interessante! Para saber mais leia o press release completo.

Um comentário para “Insulina prolongada? Nova base para tratamento de diabetes”

  1. […] This post was mentioned on Twitter by nadia domingues. nadia domingues said: RT @glicemiasonline: descoberta uma molécula que pode prolongar o efeito da insulina no organismo!!! http://bit.ly/aS3yiD […]