Resultados da pesquisa – 2016

Durante 3 semanas os usuários do Glicemias Online responderam a algumas perguntas que tinham o objetivo de compreender como usam o Glicemias Online e o que podemos melhorar.

Mais de 16 mil diabéticos foram convidados a responder a pesquisa, e aproximadamente 67% aceitaram o convite e nos contaram sobre o uso do Glicemias Online, sobre o que gostariam de ter no sistema e como podemos ajudá-los a controlar melhor o diabetes. [continue lendo…]

Ajude o Glicemias Online a ser ainda melhor!

Lá se vão quase 7 anos desde que eu larguei meu emprego e iniciei uma jornada com o objetivo de melhorar a vida de cada um dos diabéticos no mundo.

img-alternative-text [continue lendo…]

Diabetes e aventuras

GOPR6050.00_01_39_36.Still002_wpEu sempre fui adepto à aventura, riscos, adrenalina de algum jeito, mesmo morrendo de medo, sempre optei por encará-los. Quando descobri que era diabético estava me preparando para uma escalada no Pico da Neblina. Logo depois surgiu o AventuraDiet, um blog em que escrevia sobre diabetes e esportes de aventura.

O tempo passou e o AventuraDiet acabou dando origem ao GlicemiasOnline, e as aventuras foram ficando diferentes, e sendo contadas em outro lugar, o Queroir.la.

Em 3 dias, sairei para mais uma das minhas loucuras. Vamos, eu e a Nádia (minha esposa), de São Paulo, para o Deserto do Atacama, no Chile.

[continue lendo…]

Testando a cura – The Human Trial

528281210_960x540

Qualquer medicamento desenvolvido no mundo passa por vários processos até chegar às farmácias/hospitais. Os primeiros testes, geralmente são realizados em “ratos de laboratório” e posteriormente realizados em humanos.

Para que os testes em humanos sejam realizados, além de comprovar que o tratamento/medicamento é eficaz em ratos, os responsáveis também devem provar que não existe risco à saúde/vida dos humanos que serão voluntários no teste.

Isso faz com que o processo de desenvolvimento de novos medicamentos seja caro, demorado, e mais importante ainda, seguro, ou o mais seguro possível.

Nos EUA, o órgão responsável por autorizar os testes é o FDA, que também autoriza produção e distribuição de medicamentos em território americano.

Boas notícias

Em 2015 a ViaCyte, um dos melhores laboratórios americanos recebeu autorização do FDA para realizar testes, de uma possível cura para o diabetes, em humanos.

Mais de 90 anos depois da descoberta da insulina a ViaCyte foi autorizada a realizar o primeiro teste em humanos para uma possível cura para o Diabetes tipo 1.

O tratamento que usa células tronco, retiradas de embriões (um único embrião é capaz de ser a cura para milhões de diabéticos) é o sexto tratamento tentado no mundo, e o primeiro a chegar à fase de testes com humanos.

The Human Trial

The Human Trial from Vox Pop Films on Vimeo

Uma descoberta como essa não poderia passar em branco e para documentar toda a história estão gravando um filme/documentário que traz à tona os custos, emocionais, físicos e financeiros de uma doença que consome aproximadamente 612 Bilhões de dolares todos os anos.

Para que o documentário, The Human Trial, possa se tornar uma realidade, os produtores contam com a colaboração de pessoas, diabéticas ou não. Você pode simplesmente doar uma quantia, ou comprar uma camiseta e/ou um poster do filme. Para saber como ajudar os caras acesse: http://thehumantrial.com/get-involved/

Atletas tipo 1

Tem uns 13 anos que descobri ser diabético. Quando isso aconteceu eu treinava para uma aventura, iria escalar, sozinho, o Pico da Neblina, o ponto mais alto do Brasil.

Durante o treinamento para isso eu praticava muito exercício, e consequentemente comia muito também. A alta quantidade de atividade física mascarou durante alguns meses os sintomas da hiperglicemia. Quando a atividade física começou a diminuir um pouco eu descobri que estava diabético.

A primeira decisão foi abortar a escalada, e comecei a praticar esportes menos intensos, ou não tão longe de casa. E o sonho de viver como um atleta, sempre escalando, competindo, buscando performance foi interrompido. Deu lugar a outras coisas, outras formas de conquista. Mas hoje me pergunto (sem arrependimentos) será que eu deveria mesmo ter parado?

Hoje eu sei que eu não precisava ter parado. E tenho certeza e exemplos de que é possível ser um atleta de elite, mesmo diabético. E o que não falta são exemplos.

A NASCAR, famosa corrida de carros nos Estados Unidos tem um piloto diabético, Ryan Reed.

Henry Slade e Aidan Broddell jogadores de rugby são outro exemplo de atletas diabéticos.

rugby players

Aidan Broddell e Henry Slade, diabéticos tipo 1

E para não ficar apenas com exemplos “importados”, lembra do Washington, ex-jogador do Fluminense que quebrou o recorde de gols em uma única edição do Campeonato Brasileiro? Pois é, ele também é diabético.

washington

Aidan Broddell e Henry Slade, diabéticos tipo 1

Podemos não ser atletas de elite, profissionais, mas aquela caminhada de todo dia, que nos tira do sedentarismo e ajuda a equilibrar os níveis de açucar no sangue e reduzir a quantidade de insulina que tomamos, não tem que ficar só na promessa!

 

DietSensor – facilitando a vida de quem conta carboidratos

Foram 2 ou 3 colheres de arroz? Será que essa fatia tem 60g? 

Além dessas, quem conta carboidratos, faz, diariamente várias outras perguntas similares, e as respostas é que indicam quanta insulina essas pessoas devem colocar na sua próxima injeção.

muffins

Mesmo que fiquemos atentos aos rótulos, procurando pela quantidade de carboidratos em uma porção, ou estimando essa quantidade quando os alimentos são caseiros (ou não temos os rótulos para nos guiar) a chance de que erremos são muito grandes.

E errar na contagem de carboidratos significará uma hipoglicemia ou hiperglicemia daqui algum tempo, coisas que nenhum diabético que passar.

Mas os dias das estimativas erradas parecem estar com prazo definido para terminar. Astrid and Rémy Bonnasse, pais de uma garotinha com diabetes tipo 1, construiram um dispositivo capaz de “escanear” a composição de alimentos e bebidas.

O DietSensor, foi apresentado durante a CES 2016, uma feira de tecnologia anual que acontece em Las Vegas, USA.

O dispositivo tem um preço, para pré-venda, fixado em US$ 249, e a previsão para comercialização em meados de 2016 (Estados Unidos e Canadá). Além do scanner um app mostra no smartphone as informações coletadas, e mantém um histórico da quantidade de calorias e carboidratos ingeridos.

Enquanto a cura ainda não é realidade, inovações como essa fazem a vida de nós, diabéticos, muito mais agradável. Vamos torcer para os órgãos reguladores no Brasil aprovarem o quanto antes a vinda do DietSensor.

35 dias para você ajudar a mudar o mundo dos diabéticos


Diabeto, um simples equipamento que irá mudar o mundo dos diabeticos, provavelmente o seu mundo, ou de alguém que você conhece.

Um dos principais fatores para que pacientes diabéticos deixem de manter o seu diário de glicemias, é a dificuldade em armazenar esse dados. Raramente os monitores de glicemia se conectam com um smartphone ou tablet, e quando conectam essas informações ainda ficam “presas” aos dispositivos, tornando difícil ou impossível o acompanhamento remoto pelo médico e/ou familiares.

Em 2010 o Glicemias Online surgiu com o objetivo de mudar essa realidade, caminhamos bastante, e hoje já somos mais de 6 mil pacientes, revolucionando diariamente o tratamento do diabetes.

Em 35 dias encerará a campanha de arrecadação de fundos para a “construção” do Diabeto, um dispositivo que irá se conectar ao seu monitor de glicemia, e transmitir suas medições diretamente a um aplicativo no seu celular, seja ele um iPhone, um Android ou Windows Phone.

No Indiegogo, o pessoal que criou o Diabeto está arrecadando fundos para a primeira produção, funciona assim: qualquer pessoa pode doar qualquer valor para o projeto, mas se você resolver doar, por exemplo, USD $65, (cinquenta Dólares), terá direito a um Diabeto. Existem outras combinações de valor, e você deve adicionar USD 25, para despesas com frete para o Brasil.

O Glicemias Online já ajudou e com isso garantimos um exemplar do Diabeto que usaremos para permitir a sincronização automática dos monitores de glicemia com o site do Glicemias Online, facilitando a forma como você gerência o seu diabetes.

Ajude a revolucionar o tratamento do diabetes você também.

Pâncreas artificial, estamos muito perto dele!

Cientistas suíços (do Departamento de Engenharia e Ciências de Biosistemas [D-BSSE] da ETH) desenvolveram um dispositivo capaz de produzir insulina baseado nas variações de pH do sangue.

O dispositivo pode ser implantado em pacientes diabéticos tipo 1, substituindo assim as varias de injeções de insulina que os diabéticos precisam tomar diariamente. [continue lendo…]

Sanofi lança monitores de glicose

DSC_0009

Notícia boa para nós diabéticos, a Sanofi-Aventis lançará em julho os monitores de glicose iBG Star e BG Star no mercado Brasileiro. [continue lendo…]

7 dicas para quem descobriu que é diabético tipo 2

foto de Sriram Bala no Flickr

foto de Sriram Bala no Flickr

Semana passada deixamos 7 dicas para quem acabou de descobrir que está diabético tipo 1. Agora o foco são os diabéticos tipo 2.

1 – Ser diabético não quer diser que você falhou.

O diabetes tipo 2 pode ser desenvolvido por uma série de fatores. O estilo de vida que você leva, com certeza representa uma boa parte desses fatores (alimentação, prática de atividades físicas, stress, noites mal dormidas), mas fatores genéticos também tem são importantes. Diabetes tipo 2 é alardeado pela mídia como consequência do sobre-peso. É verdade que muitos obesos desenvolvem diabetes tipo 2, mas muitos também nunca chegam a desenvolver a doença.

[continue lendo…]